Black Alien deixa para trás fantasmas e drogas Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/black-alien-deixa-para-tras-fantasmas-drogas-6646862#ixzz2BU4J8XDy © 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.




RIO - Fantasma. Falta de inspiração. Chuva. Morte. Drogas. Esses foram os responsáveis por afastar Black Alien do mainstream. “Por ideologia”, como disse em conversa por telefone com O GLOBO, o rapper se recusou a participar da turnê de reunião de sua ex-banda, o Planet Hemp, que roda o Brasil desde setembro. Mas o niteroiense de 40 anos está de volta, com disco novo — o lançamento está previsto para março — e retorno aos palcos já neste sábado, na festa Luv 4 anos, na Estação Leopoldina. Na última semana, ele publicou no YouTube a canção inédita “Pra quem a carapuça caiba”, que já ultrapassou as 18 mil visualizações. Ouça acima.
Por que você levou oito anos para lançar o segundo disco solo, “Babylon by Gus, volume 2”?

Não tive nada para falar de 2004 até 2009, quando fui gravar em São Paulo. Foram 44 dias de chuva ininterruptos. Ainda apareceu um fantasma no estúdio e assombrou o Alexandre Basa, meu produtor. Era o espírito de uma menina que se matou naquela casa após ser deixada no altar pelo noivo. Chamaram um padre, que mandou o espírito para a luz. Na mesma semana, o Speed (o rapper Cláudio Márcio de Souza Santos) morreu. Voltei para o Rio, meio atordoado. Só agora consegui me ajeitar.
Quais são suas inspirações?
Deus, a família e os tempos que estamos vivendo. Comecei a anotar coisas sobre as eleições brasileiras e as gringas. E sobre as profecias que se concretizaram.
Você já foi parceiro de nomes como Herbert Vianna e Bi Ribeiro. Pretende convidar alguém para o álbum?
As letras são todas minhas. Serão de 12 a 14 faixas, com dois reggaes, mas é mais rap mesmo. Vou convidar cantores e MCs como Ogi, Flora Matos, Kamau e Gabriel O Pensador.
E os shows?
A turnê começa em março, mas tenho alguns shows marcados de agora até janeiro.
“Pra quem a carapuça caiba” tem menções às drogas. Qual sua relação com elas atualmente?
Fiquei cinco meses em reabilitação. Agora estou ótimo. Consegui me livrar de tudo, menos do tabaco. Venho tentando reverter a mensagem que estava mandando antes, se é que você me entende. A minha opinião sobre as drogas no disco 1 era "não use" através de metáforas. No 2, meu discurso é “pelo amor de Deus, seja homem e não use”. Continuo dizendo não a qualquer tipo de droga, inclusive as liberadas: o café, o tabaco, o álcool e o Rivotril. O fato de minha mulher estar grávida contribuiu para eu me retirar, descansar e reavaliar os meus valores.
Por que você não está participando da turnê de reunião do Planet Hemp?
Por ideologia. Eles não estão levantando uma bandeira? Eu não levanto bandeira nenhuma. Não quero meu nome associado a isso. Primeiro, existe uma redundância gramatical: “Legalize já, uma erva natural não pode te prejudicar”. Uma erva já é natural. Em português já está errado, confere? E “não pode te prejudicar" como, se fui preso? Eu tenho 40 anos. Na época do Planet, tinha 23. E me prejudicou. Conquistei minha carreira com muita dificuldade, com um público entre 800 e 2500 pessoas. A de "não sei quem" é de 20 mil pessoas. Mas graças a Deus não estou passando fome. Pude parar, refletir... Não tenho do que reclamar da vida, nem quero causar discórdia, arrumar polêmica.
Não existe chance de você participar de algum show?
Não vou participar de nada. Não é isso o que eu quero para os jovens. Não é questão de “não faça o que eu faço; faça o que eu digo”. É uma questão de realmente não acreditar mais nisso. Está errado. Se eu escrevesse sobre coisas em que não acredito, teria outra profissão. O poeta é bobão, ele escreve por ideologia, não quer saber de grana. Eu sou esse cara aí.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/black-alien-deixa-para-tras-fantasmas-drogas-6646862#ixzz2BU3GyrRr
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Compartilhar Google Plus

Autor Luter Hip-hop no ar

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Editá-lo digitando o texto no html .

Postagens Relacionadas

Mensagem mais recente Mensagem antiga Página inicial